Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Novamente Geografando

Este blog organiza informação relacionada com Geografia... e pode ajudar alunos que às vezes andam por aí "desesperados"!

Novamente Geografando

Este blog organiza informação relacionada com Geografia... e pode ajudar alunos que às vezes andam por aí "desesperados"!

SEMÁFOROS DO FUTURO VÃO PREVER E REAGIR AO TRÁFEGO EM TEMPO REAL

Mäyjo, 26.12.15

Semáforos do futuro vão prever e reagir ao tráfego em tempo real

Os semáforos não têm mudado muito ao longo dos anos: foram-lhes adicionados câmaras de vigilância e sensores de velocidade, mas o conceito básico continua a ser o mesmo. Contudo, engenheiros norte-americanos estão a desenvolver nova tecnologia para os semáforos que poderá mudar no futuro a maneira como conduzimos.

Num futuro não muito distante, os semáforos vão conseguir gerir o trânsito através da previsão do comportamento do condutor e da reacção instantânea aos padrões de trânsito, fazendo com que o tráfego seja mais fluído e as emissões de CO2 possam ser reduzidas.

No Utah, Estados Unidos, por exemplo, os gestores de tráfego conseguem já ajustar os semáforos em tempo real devido a um sistema composto por uma rede de câmaras de circuito fechado ligada a uma rede de fibra óptica. Este sistema permite aos gestores ajustar os sinais luminosos em menos de 30 segundos para que possam reagir às necessidades do trânsito.

De acordo com várias estatísticas, o retorno do investimento em sinalização luminosa é pago numa proporção de 40 para 1, algo que não se verifica em outras estratégias de gestão de tráfego, como a construção de novas estradas, escreve o Inhabitat.

Investigadores da Carnegie Mellon University, em Nova Jérsia, estão a desenvolver um sistema de gestão de tráfego semelhante ao já existente no Utah, mas mais barato e simples. A equipa de engenheiros encarregue pelo desenvolvimento do novo sistema tem estado a testar nova tecnologia nos últimos anos e concluíram que com o novo sistema, os tempos de viajem demoram menos 25% e o período em que os carros estão parados no trânsito diminuiu 40%. Tal, alia-se a uma redução de 20% das emissões dos gases com efeito estufa.

No MIT, uma outra equipa está a investigar um outro sistema que consegue prever como os condutores reagem durante o trânsito e permite às cidades priorizarem o trânsito consoante as diferentes necessidades.

Foto: Horia Varlan / Creative Commons

CAMADA DE OZONO AUMENTA PELA PRIMEIRA VEZ EM 35 ANOS

Mäyjo, 24.12.15

Camada de ozono aumenta pela primeira vez em 35 anos

Um novo relatório das Nações Unidas revela que a camada de ozono da Terra aumentou pela primeira vez nos últimos 35 anos. De acordo com o documento, a recuperação – que é um processo lento – deve-se à proibição do de clorofluorcarbonetos (CFC), com implementação do Montreal Protocolo on Substances  that Deplete the Ozone Layer, em 1987.

A principal conclusão do relatório da Organização Meteorológica Mundial e do Programa das Nações Unidas para o Ambiente é a de que o buraco surgido no final dos anos 1970, devido à utilização de CFC que eram incorporados em aerossóis, frigoríficos, extintores e outros objectos e produtos, está a fechar.

Durante as décadas de 1980 e 1990, a concentração do ozono diminuiu cerca de 2,5%, em média, aumentando o risco de doenças como o cancro da pele e problemas de visão. O buraco foi detectado inicialmente nos pólos e é lá que permanece o maior problema, já que a rarefacção do ozono é mais expressiva.

“É uma vitória para a diplomacia e para a ciência, mas também para o facto de termos conseguido trabalhar juntos”, afirma Mario Molina, Prémio Nobel da Química pela investigação sobre a camada de ozono terrestre, cita o Inhabitat.

O documento das Nações Unidas sublinha ainda que, apesar da recuperação feita, a camada de ozono é ainda 6% mais fina que os níveis anteriores à descoberta e aumento do buraco e deverá demorar até 2050 para que a saúde da camada esteja totalmente restabelecida. Contudo, só apenas em 2075 é que as regiões dos pólos vão estar totalmente recuperadas.

“Existem indicadores positivos que apontam para a recuperação progressiva da camada do ozono, que deverá estar concluída a meio do século. O Protocolo de Montreal – um dos tratados ambientais mais bem-sucedidos do mundo – tem protegido a camada de ozono estratosférica e evitado que os raios solares prejudiciais atinjam a superfície terrestre”, indicou o vice-Secretário Geral das Nações Unidas, Achim Steiner.

PODEM AS BACTÉRIAS AJUDAR A ACABAR COM O LIXO NUCLEAR?

Mäyjo, 23.12.15

Podem as bactérias ajudar a acabar com o lixo nuclear?

Um tipo de bactérias que se alimenta de lixo radioativo foi descoberto na região inglesa de Peak District, e podem agora ser utilizadas para ajudar a acabar com o lixo radioactivo.

Cientistas da Universidade de Manchester indicam ter descoberto uma bactéria extremófila que consegue sobreviver às condições adversas dos aterros de lixo radioativo. A descoberta, publicada na revista científica Multidisciplinary Journal of Microbial Ecology, refere ainda que os pequenos organismos decompositores de lixo radioactivo podem ser uma solução para o problema crescente da radioatividade.

Esta é a primeira vez que microorganismos deste tipo foram encontrados. A equipa de cientistas descobriu-os num solo contaminado de um forno de cal. Uma das soluções actuais para o lixo radioactivo é juntá-lo a betão antes de ser armazenado em cofres subterrâneos durante milhares de anos. Contudo, esta solução acarreta riscos para a saúde pública.

Quando a água da superfície se infiltrar no solo e encontrar os cofres vai reagir com o betão e tornar-se extremamente alcalina. Ao tornar-se alcalina, a água desencadeia uma reacção química que dá origem a ácido isosacarínico, que por sua vez reage com os elementos tóxicos que compõem os elementos radioativos do lixo nuclear. Caso o ácido se ligue com os radionuclídeos, tais como o urânio, estes tornam-se solúveis. Tal significa que a probabilidade de vazarem dos cofres é maior e podem mesmo infiltrar-se nos reservatórios subterrâneos de água e entrar na cadeia alimentar, escreve o Daily Mail.

Os investigadores indicam que estas bactérias podem utilizar o ácido isosacarínico como fonte de alimento em condições que imitam as encontradas nos locais de armazenamento do lixo nuclear. O próximo passo do estudo é analisar o processo que suporta a vida destas bactérias e perceber exactamente qual o efeito que as bactérias têm no lixo radioativo.

Foto: karin.noso / Creative Commons

ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS DEVERÃO AUMENTAR VULNERABILIDADE DA ÁGUA QUE ABASTECE LISBOA

Mäyjo, 22.12.15

Alterações climáticas deverão aumentar vulnerabilidade da água que abastece Lisboa

Os estudos climáticos feitos até à data apontam para vários cenários futuros, mas o consenso será para um planeta com temperaturas mais elevadas, secais e inundações mais severas e abundantes, aumento do nível da água do mar, entre muitas outras consequências. Aliado aos efeitos do aquecimento global está ainda o aumento da população, que não deverá parar de aumentar até ao final do século. Perante estes cenários climáticos e demográficos, os recursos hídricos estarão cada vez mais vulneráveis e sobre um maior stress.

Foram estas vulnerabilidades que a Empresa Pública das Águas Livres (EPAL) quis perceber, nomeadamente no que toca aos reservatórios utilizados para abastecer a região metropolitana de Lisboa. Para tal promoveu o desenvolvimento do projecto Adaptaclima-EPAL que, através da colaboração com universidades portuguesas, conseguiu identificar as vulnerabilidades nos reservatórios de água consequentes das alterações climáticas que irão ocorrer até ao final do século.

O resultado do estudo – com a coordenação científica de Filipe Duarte Santos e Maria João Cruz, contando ainda com a colaboração de vários académicos de diferentes universidades – é o livro “Contribuição para o Estudo das Alterações Climáticas e Adaptação do Ciclo Urbano da Água”. A obra foi apresentada esta segunda-feira durante o Congresso Mundial da Água, que junta mais de 5.000 especialistas e profissionais do sector em Lisboa até ao dia 26 de Setembro. O evento é organizado pela Associação Internacional da Água a cada dois anos.

A principal conclusão do estudo, baseado em modelos demográficos, uso dos solos e alterações climáticas, aponta para um “aumento da vulnerabilidade das diversas origens do sistema” de abastecimento de água da EPAL até ao final do século. Contudo, o estudo refere ainda que o sistema de abastecimento da EPAL evidencia, actualmente, uma elevada resiliência a eventos climáticos. “A vulnerabilidade actual das diversas origens do sistema em termos de qualidade ou quantidade da água fornecida é, na generalidade dos casos, baixa, para ocorrências de eventos como secas, cheias, incêndios florestais ou intrusão salina”, lê-se no livro.

As soluções destacadas pelo estudo para que a EPAL possa assegurar um normal abastecimento de água aos consumidores terá de passar futuramente por uma alteração da oferta de água, alteração da procura de água, reforço dos processos e competências internas, alteração das relações institucionais com outros agentes ao mesmo tempo que são garantidas a qualidade da água e a protecção das captações e demais infra-estruturas.

Foto: juniordiviroydi / Creative Commons